segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Flex deve parar, para sempre


Foram quatro anos de recuperação judicial e quase dois anos de voos operados à Gol O único avião da antiga Varig, um Boeing 737-300 com a bandeira Flex, deve permanecer definitivamente no chão a partir de hoje.

Mas uma dívida de R$ 15,1 milhões impede a Flex de decolar, segundo o seu último relatório mensal, referente a outubro.


Os outros negócios da companhia, como o centro de treinamento de pilotos, continuam em atividade. "No mês de novembro, caso não ocorra a liberação de recursos não operacionais, para pagamento dos funcionários, dos fornecedores e recolhimento de tributos, tornar-se á inevitável a paralisação das atividades", informa o relatório da Flex, assinado pelo gestor judicial e presidente da empresa, Aurélio Penelas.

O relatório é mensalmente enviado ao juiz Luiz Roberto Ayoub, da 1ª Vara Empresarial do Rio, que comandou a recuperação judicial da companhia.

O gestor da Flex diz que o avião só voará novamente se obtiver algum recurso na Justiça que libere R$ 5 milhões em depósitos em juízo, bloqueados pelo Tribunal Regional do Trabalho do Rio. "A gente brigou, brigou e se sente frustrado por chegar tão perto de um acordo e não ter conseguido", afirma Penelas. O que ele mais lamenta é a situação dos 212 empregados.

Outra alternativa seria o governo dar algum sinal de que está disposto a fazer o encontro de contas entre o que a empresa cobra por perdas com o congelamento de tarifas entre os anos 80 e 90 e o que ela deve de tributos.

A Flex herdou da Varig um passivo estimado em R$ 7 bilhões. Mas o próprio Penelas admite que isso é improvável, pois o pacto está emperrado há mais de 210 dias. Um dos impasses é o valor. A empresa alega cerca de R$ 4 bilhões, mas o governo fala em pouco mais de R$ 2 bilhões.

Penelas conta que outra frente seria a Gol interceder junto à dona do avião, a empresa de leasing Wells Fargo, que pode arrestar o 737-300 a qualquer momento.

O executivo lembra que originalmente a aeronave era da frota da Gol, mas foi arrendada para a Flex. Mas já são quatro meses sem pagar o arrendamento, cujo valor total é de US$ 900 mil, e a Wells Fargo quer arrestar a aeronave.

Isso só não ocorreu antes porque o avião estava em manutenção até hoje.


Além disso, a Flex não pagou a segunda parcela do seguro, de US$ 150 mil, que venceu na sexta-feira. Sem essa garantia, ela não pode voar. Os 212 empregados da Flex esperam hoje por um "milagre".

Fonte: Pousada das Notícias.
Photo by: Carlos Leal (Recife).

Um comentário:

Piment@ disse...

Ainda não...
Surgíu uma luz no fim do túnel (e não é um trem vindo em nossa direção). Hoje de manhã, o (des)gestor entregou o cargo, e ficou-se sabendo que ele omitiu informações importantíssimas sobre a situação da cia em seus reloatórios mensais ao Juiz Dr.Ayub.
Tomara que ainda haja tempo. Vamos ver

SEGUIDORES AEROBLOG

Total de visualizações de página